Que vença o melhor marqueteiro…

Que esta é uma das disputas a presidenciais mais concorridas desde a redemocratização, isto não há dúvidas. Não há dúvidas também, do quanto os candidatos ao palácio tem trabalhado em suas propostas aliadas às estratégias de marketing, que muitas vezes, acabam sendo uma verdadeira maquiagem à realidade.

Papai e mamãe geram fórmula de sucesso

No ringue do Marketing, temos de um lado, a belíssima, extraordinária e bem avaliada campanha da candidata Dilma Russeff, que colou na imagem de Lula, ligeiramente abusando da ingenuidade dos menos intelectuais, porém, provando usar uma fórmula de sucesso. Quem trabalha na campanha da petista, nada mais é que João Santana, nome escolhido a dedo pelo próprio presidente. Santana ressalta o valor da figura feminina, a educação e tenta comparar a história de Dilma com Lula, levando até mesmo a uma leve confusão do eleitor. Infantiliza, porém conquista o eleitorado com toda esta história de ‘pai’ e ‘mãe’. Entretanto, os números compravam que o programa da petista (em uma pesquisa DataFolha, 54% do eleitorado o considera melhor) é o melhor entre os candidatos. Um espetáculo de imagens, de falas, de números. Uma fotografia espetacular, que mistura orgulho e emoção a quem assiste, que infelizmente, é assim como dos demais candidatos, manipulação a nossa mente

Com a ‘Serra’ no pescoço

Opondo-se a estrela do PT, temos um tucano, que bate asas na tentativa incessante de alçar vôo. O jornalista Luiz González, tem uma missão muito mais difícil nas mãos, na tentativa de ascensão da campanha do candidato José Serra. González parte para o chamado ‘propalismo’ misturando propaganda e jornalismo. A campanha de Serra na TV começou tímida, batendo na cansativa tecla da saúde. O próprio tucano, deu nota 5, para o marketing de sua campanha. A situação ficou apertada e o tucano começou a perder votos e agora podemos observar claramente uma mudança. O programa tucano tem identidade própria, porém começa a mostrar números, e depoimentos (que chegam a sensibilizar). Tenta aproximar constantemente Serra do eleitor, onde ele fala ‘olho no olho’ e mostra sua experiente biografia. Porém, González não pode deslizar em momento algum com críticas diretas ao atual governo, pois seria como dar um tiro no próprio pé. Alguns cutucões são dados nos adversários de forma sutil. Na campanha de Serra, sobra carisma e talvez boas intenções. Na de Dilma, sobra efeitos e emoções, mas no fim, ambas são banhadas em ‘Photoshop’.

Marina Lá… Lá, lá…

Paulo Tarso, famoso por criar o jingle ‘Lula lá’ é o que mais tem dificuldades para vender seu produto, Marina Silva, que não alcança nem 2 minutos na TV e estagnou nos números a corrida presidencial. Sua propaganda é bem mais publicitária, apostando em quadrinhos e até mesmo em famosos pedindo votos. Marina destaca de forma rápida sua biografia, e dá destaques a educação e sustentabilidade com freqüência. Discurso fraco. Porém, infelizmente é praticamente impossível fisgar o eleitor com tão pouco suporte. Enquanto isso Marina vai fisgando curtos espaços em inserções diárias de candidatos ao governo e senado pelo seu partido

Têm-se três desafios: O de João Santana, em provar que Dilma não é somente uma marca de Lula; o de González, com a tarefa de convencer o eleitor a usar outra ‘marca’ e o de Tarso, de apresentar uma marca nova, que dificilmente entrará no mercado. Que vença o melhor… Marqueteiro!

Artigo de Daniel Corrá postado no blog PUBLICIDEIAS (AGOSTO, 2010).

Endereço Novo!

Agora o PUBLICIDEIAS está de endereço novo! E aqui, será voltado para conteúdo exclusivamente de portifólio ou artigos de minha autoria. Mas vale a pena também não, é?! Conhecer um pouco do meu trabalho, etc. Visitem lá, está ainda melhor!

Abraços, Daniel Corrá.

Não é mera coincidência…

A corrida presidencial está tomando cada vez mais fôlego. Já é oficial o logo da Campanha da petista Dilma Russeff e do candidato ao governo do Rio, Fernando Gabeira. E creiam, não é mera coincidência com o da campanha do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. O logo da Campanha da petista, tem praticamente só as cores diferentes quando comparado ao do presidente norte-americano. É uma cópia de uma fórmula de sucesso. Uma cópia bem feita, digamos. Ao contrário do de Gabeira, bem ‘demodé’.

Ainda analisando as estratégias de marketing de Dilma, vale ressaltar seu jingle. Onde seu nome aparece 5 vezes e o do presidente Lula aparece 6. Alguns cartazes da campanha também não contam com a foto da candidata, e sim com a do atual presidente! É o poder da influência, do marketing, da associação…

Vale ressaltar que vamos falar aqui de todos os candidatos, como já falamos nos posts anteriores! Nos resta aguardar novidades sobre Serra, Marina, e outros, que trataremos aqui! Dê sua opinião!

Cartão de visita

Cartão de visita (frente e verso) para uma decoradora autônoma de São José dos Campos. Ela está ainda em seus primeiros trabalhos, porém seus serviços já está sendo bastante procurados na região.

A influência da mídia, principalmente na política

Obama inspira um VEJA Na pose de Serra ... Entretanto com Dilma, Ninguém inspiração nada

Marketing Político – Logo após que acabar o ‘auê’ da Copa do Mundo, os olhos de toda a nação provavelmente estarão voltados para a corrida presidencial 2010, que promete ser uma das mais acirradas na história deste país. A corrida é basicamente movida por dois pólos principais: de um lado o ex-governador de São Paulo (entre outros cargos), José Serra e a ex-ministra da Casa Civil, Dilma Russeff. Faremos vários ‘posts’ especiais sobre as eleições, entretanto, apenas analisando o Marketing envolvendo o nome de todos os candidatos, ou pelo menos os principais…

VEJA uma imparcialidade, Influência e Falta de criatividade da revista

Para começar esta ‘série especial’ escolhi nada mais, nada menos que a famosa capa da “parcial” revista Veja, trazendo o candidato tucano em uma pose muito… digamos amistosa. Ou seja, quebrando todos os paradigmas de sisudo, e mal humorado,  passando uma boa imagem, de um político sorridente, adorável, e simpático não só ao leitor, mas para a simples pessoa que passa na rua e vê de longe a revista, ou vê um anúncio da mesma na internet, etc. Nada mais do que imparcialidade e pura propaganda política. Porém, também não se vê nenhuma criativade, já que em 2009, quando o presidente Barack Obama venceu as eleições americanas, posou com a mesma simpatia de Serra, para a americana TIMES.

Diferença Sutil …

Alguns meses antes de  José Serra, a própria Veja, trouxe à capa, a então ministra, Dilma Russeff. Dilma, que também coloca medo em muita gente, com seu jeito sisudo  e aparentemente, muito mais mal humorada que José Serra, não teve sua aparência mudada. A Veja a trouxe como ela é. Sem muitas expressões, destacando detalhes vermelhos na revista (que associam diretamente ao PT), esta capa porém, encontra-se em preto e branco. Sim, nada de cores, nem firulas, nem sorrisos nem nada que possa simpatizar o leitor… ou seria o ELEITOR? Como dizia meu professor de português do fundamental,  além do poder executivo, legislativo e judiciário, temos o quarto poder… A MÍDIA!

Comparando as duas capas, é gritante a diferença! Em uma temos: ‘SERRA, O BOM MOÇO, DÊ UMA CHANCE A ELE’; na outra: ‘DILMA…UMMM, VEJA A ENTREVISTA DELA SE QUISER’.

Porém, como a revista VEJA é totalmente imparcial (sim, estou sendo irônico), trouxe em ambas edições, artigos do candidato adversário ao que estampava a capa.

Ao decorrer das semanas, com um bom intervalo de tempo (pois política enche o saco, né?!) Falaremos do exagerado marketing político relacionando a imagem de Dilma a Lula, etc.

Daniel Corrá

Ser publicitário não é mole, mas vale a pena!

Quer ser publicitário? Tenha sempre uma ideia na mente!

Quer ser publicitário? Tenha sempre uma ideia na mente!

Dia desses comecei a twittar, sobre a vida maluca de um publicitário (ou de quem está estudando para se tornar um dia), foi bem no meio de um trabalho de marketing que estava me descabelando (rsrs), e após estas twittadas, alguns outros amigos ligados a área também fizeram suas observações! Resolvi ler novamente alguns tweets e fazer uma resenha pro blog!

Vamos lá, para algumas locuras da rotina de nossa pobre vida de publicitário?

De verdade, se você quiser fazer publicidade um dia, vai se acostumando com a ideia que vai ter que fumar maconha algumas vezes pra ser o bonzão (mas que fique bem claro, eu nunca usei maconha nem derivados)! Conversando com um publicitário de uma agência grande, ele me disse isso, e realmente, há alguns anos, grande parte dos publicitários (assim como escritores, autores de novelas), davam algumas ‘tragadas’ para poderem ter as idéias mais sórdidas… Hoje em dia, nem pra isso a galera tem tempo mais, de tão corrido que é nas agências… A nova droga nas agse chama ‘pizza do dia anterior…’

As melhores ideias, são ingratas conosco!

E vai se acostumando que em diversas vezes, se quiser mesmo seguir carreira, vai querer rancar os neurônios porque as ideias não veem a cabeça! Entenda de uma vez por todas, Ser publicitário não é acordar e dizer: ‘bem vamos ter ideias!’ – Ideias não saem a força! As boas ideias, normalmente, aparecem as 17h59, quando o expediente acaba, ou quando você esta olhando paras estrelas no caminho pra casa…

As idéias mais sórdidas e ingratas, surgem quando você coloca a cabeça no travesseiro as 11 da noite e tem que pular da beliche para anotá-las ou seja, querer ser um publicitário requer muito equilíbrio psicológico, pois você mesmo se pressiona! E como diria meu amigo @Luuc_s você precisa de um equilíbrio desequilibrado!

Apesar de tudo, é prazeroso…

Porém, é um prazer imenso (quase um orgasmo) ver e idealizar uma boa campanha, com uma boa, ideia e melhor ainda, com um otimo resultado! Uma boa idéia, é quase como ter um filho recém-nascido (também não tenho filhos – rsrs)! Você não quer que ninguém a tire de seus braços, toma muito cuidado e sente orgulho dela. Porém quando ela é rejeitada… pontada no peito! Porém é gratificante, apaixonante, estressaste e maluco esse mundo da publicidade… só os loucos sabem! (risos).

Daniel Corrá

Sacolas Retornáveis: Carregue esta ideia!

Ainda no trabalho de desenvolvimento e análises de marketing, para a disciplina coordenada pela professora Ana Carolina, está a venda de sacolas retornáveis ao consumidor, visando principalmente o marketing destinado às práticas de consumo ecologicamente corretas.

Entradas Mais Antigas Anteriores